Já conheces o eBook que o Palco Principal está a oferecer? Descarrega-o aqui!
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Blog de KILINDU

Lançamento de single Janeiro 2014

Kilindu, banda portuguesa de Fado, Jazz Latino e World Music, lançou «O que o futuro nos traz» com videoclipe ilustrativo no dia 6 de Janeiro. http://youtu.be/yyRK7giU9XM Apresentam-se como Jam band e «O que o futuro nos traz» é o perfeito exemplo da maestria dos Kilindu. Partindo da raiz comum do Fado, da Samba, da Morna e de outros estilos Latinos, o Lundu, unificam todas as influências europeias, da América Latina e África, e criam uma sonoridade única e um estilo fresco.

Segundo o crítico americano Chuck Taylor, opinion maker, editor da Billboard e do American Top 40, aquando da audição de «O que o futuro nos traz»:

«Vocally, Kilindu hits a bulls-eye. The performance is beautifully delivered and polished to perfection. I believe that sometimes listening to a song in a language that one doesn’t understand makes the passion and execution all the more pointed. That’s the case here: Since I have no idea what the hell you’re actually saying, I am able to focus on the quality of the performance… The lead is crisp and sincere with no signs of any digital enhancement. Background harmonic accompaniment in the chorus is absolutely lovely—adds a lot to the overall vocal. Instrumentally, the acoustic recording is as good as any live performance. String guitars, bongos and the crisp pluck of percussion and cymbals are deft and savvy. Is that an oboe or a sax? Superb. The addition of the instrumental breakdowns—particularly at the midsection—really play into the ensemble talent of Kilindu as a band.

I can imagine myself sitting by the water in a tropical paradise sipping margaritas while listening to the band… The recorded version creates that rare “visual” performance that is not an easy accomplishment. I’m going to guess the song was recorded as an ensemble—with all instruments and vocals in unison. It comes across»

Os Kilindu nascem no início de 2012 pela mão do guitarrista Pedro Alves Duarte e pelo cantor João Pedreira. Depois do primeiro EP Fado Novo preparam novo disco que sairá em meados de Maio de 2014.

Pedro Alves Duarte, mentor, compositor e guitarrista, iniciado na guitarra com apenas 4 anos, dotado de um estilo de jazz latino muito próprio, estudou no Hot Clube e na Berklee College of Music, tendo tirando um Master em music performance. É director da escola de música moderna EMMA, uma das mais conceituadas escolas de música moderna em Portugal. Na voz, contam com João Pedreira, um dos finalistas do concurso de TV «Família Superstar» juntamente com seu pai. Na bateria está Joaquim Preto, iniciado nos tops nacionais com 15 anos de idade com os “Ritual Tejo”, estudou no Hot Clube e é professor na escola de música moderna EMMA. Na percussão, Pantera Pitra, invoca os deuses ancestrais. É um dos mais experientes bateristas  e percussionistas da afro music em Portugal, estudou na Hot Clube e toca habitualmente com Orlando Santos, Irmãos Verdades e Mercado Negro tendo já partilhado o palco com estrelas internacionais como John Legend. No baixo, Ivan Pedreira. Iniciou-se na música pela mão de Bonga e Raul Indipwo, estudou no Conservatório e no Hot Clube, foi baixista no Cirque du Soleil e no programa de TV «Operação Triunfo». No violino, temos Tiago Simão que iniciou-se no estudo do violino clássico com apenas 4 anos sobe a tutela de Gareguin Aroutiounian, concertino adjunto e solista na Orquestra Gulbenkian. Aos 15 anos enveredou pelo jazz e pela música moderna tendo ganho o 2ºlugar no EDP Cool Jazz talents 2012. Por fim, no saxofone os Kilindu contam com Daniel Vieira, sobrinho de Vitorino e Janita Salomé. É professor de saxofone e músico de Rui Veloso, Tito Paris, entre outros.

Para descrevermos os estilos musicais que se fundem nesta banda teremos de regredir à origem comum, o Lundu, que surge em Portugal em meados do século XV. As suas origens remontam aos Bantus na Angola que ditaram o ritmo ao qual os marinheiros portugueses acrescentaram a melodia e a harmonia. Este velho estilo musical está umbilicalmente ligado a Kilindu, a divindade responsável pelo destino de cada pessoa.

O Lundu (Lundum) foi banido de Portugal no século XV e encontrou o seu caminho noutros territórios onde evoluiu separadamente e integrou outras influências. Este estilo espalhou-se por inúmeras regiões da África central nomeadamente em Angola e Cabo Verde , contudo apenas se tornou proeminente quando chegou ao Brasil levado por escravos africanos no século XVIII.

Habitualmente dançado de forma sensual por casais, acompanhado à guitarra, o Lundum também tem ligações ao Fadango Espanhol e outros estilos latinos tais como o Bolero, o Zamba e a Cueca. Na viragem d século XIX, o Lundum foi fonte para a Habanera, a Morna, o Choro, o Maxixe e o Samba que mais tarde foi feito Bossa Nova por Tom Jobim que integrou elementos jazz na 2ª metade do século XX.

Em Portugal, o Fado vê a sua mãe na Modinha, canção camerística, uma variação de uma Lisboa urbana do Lundum. Nascimento relacionado com o fenómeno europeu da 2ª metade do século XVIII da progressiva ascensão da burguesia e consequente mudança de hábitos da nobreza. Nesta fase desempenharam especial função na música de salão as canções acompanhadas que uniam a música e a poesia. Surgiam então canções a uma ou mais vozes, em idiomas locais e acompanhadas de instrumentos harmónicos. Na Itália apareceu a canzonetta, em Espanha a seguidilla, na França a ariette, na Áustria e Alemanha o lied e em Portugal a modinha.

Conseguimos facilmente recriar o cenário cultural português, a modinha, tocada em Portos e ruas de uma rica e imperial Lisboa dos séculos XV, XVI e XVII, dá à luz uma canção chorada e balbuciante como o Fado, cantado nas ruas de uma capital de império em declínio retalhada pelo terramoto de 1755.

Bio

Kilindu - Jazz Latino & Fado

Os Kilindu são uma banda Portuguesa de Fado & Jazz Latino & World Music, sediada em Lisboa - Portugal, que funde uma grande variedade de influências musicais Latinas e Afro Cubanas ao Fado.

As composições e arranjos podem ser descritos como Fados arranjados e tocados de forma a adicionar-lhe ritmos Latinos sincopados e trazer-lhe a riqueza da harmonia Jazz, aproveitando os elementos de improvisação que são comuns, ao Fado e ao Jazz.

Para se compreender o conceito do projeto “Kilindu” terá de se descrever que os estilos musicais que se fundem nesta banda, são estilos que estão ligados intrinsecamente por uma origem comum.

Tanto o Fado de Portugal, como a Morna de Cabo Verde, ou Samba do Brasil e a Habanera de Cuba, entre outros estilos, derivam de um estilo comum: O Lundu. Este género aparece no século XV em Portugal.

O antigo Lundum era uma estilo com as suas origens nos Bantus de Angola e nos marinheiros Portugueses, dos Angolanos herdou o ritmo e dos Portugueses a melodia e harmonia.

Este velho estilo musical está ligado a Kilindu que era uma divindade responsável pelo destino de cada pessoa.

O Lundu (Lundum) foi banido de Portugal no século XV e encontrou o seu caminho noutros territórios, onde evoluiu separadamente e integrou outras influências.

Este estilo espalhou-se por inúmeras regiões da África central nomeadamente em Angola e Cabo Verde contudo apenas se tornou proeminente quando chegou ao Brasil levado por escravos africanos no século XVIII.

Habitualmente dançado de forma sensual por casais, acompanhado à guitarra, o Lundum também tem ligações ao Fandango Espanhol e outros estilos latinos tais como o Bolero, o Zamba e a Cueca.

Na viragem do século XIX o Lundum foi fonte para a Habanera, a Morna, Choro (Chorinho), o Maxixe e o Samba (O Samba foi feito Bossa Nova por Jobim que integrou elementos Jazz no Samba na segunda metade do século XX).

No entanto o Fado é muito novo comparado com a sua origem a Modinha que foi a variação de Lisboa urbana do Lundum, aliás, não existe registo da existência de Fado antes do século XIX, pois antes era Modinha e ainda antes, Lundum.

Será fácil imaginar como um estilo musical festivo como o Lundum e a sua variação urbana Modinha, tocada nos Portos e ruas de uma rica e imperial Lisboa dos séculos XV, XVI e XVII, pode derivar numa canção chorada e balbuciante como o Fado que era cantado nas ruas de uma capital de império em declínio, retalhada pelo terramoto de 1755.

A música é feita pelo povo e para o povo. Em Lisboa o Lundum estava destinado a ser Fado, no Brasil estava destinado a ser Samba, em Cabo Verde a ser Morna…

O Fado encontrou honras internacionais como estilo musical consagrado e respeitado.

Fado, quer dizer “Destino”, o mesmo significado que Kilindu.

Convidamos o ouvinte das nossas canções a fazer parte desta viagem. Viagem que tem o inicia no fim.

E se… estes aparentemente estilos diferentes pudessem ser fundidos?

Esta crença deu mote ao nosso trabalho, e como cedo descobrimos, há uma imensidão de trabalho a ser realizado e uma vida cheia de desafios pela frente.

Convidamo-lo a seguir nesta viagem connosco!




RssBlogs