ALBERTO PÉSSIMO, JOÃO RIBEIRO, JOSÉ EMÍDIO, RUI PAES - Primeiro Simpósio Internacional de Pintura "Matosinhos, Terra de Horizonte e Mar - A Festa" 23/05-31/05

Testemunhando, mais uma vez,  o sucesso da experiência da Arte no espaço público, Matosinhos abre as portas ao PRIMEIRO SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PINTURA, afigurando-se, à semelhança de outros simpósios realizados pela Árvore, a aproximação da arte à vida.
Apoiada na temática, que dá título a este Simpósio “Matosinhos - Terra de Horizonte e Mar - a Festa”, a Câmara Municipal de Matosinhos promoveu esta acção cultural, com a organização e coordenação da Cooperativa Árvore.

A 22 de Maio de 2007, os artistas convidados realizaram, em conjunto com os responsáveis da autarquia, uma visita à cidade de Matosinhos, no sentido de se criarem as primeiras impressões sobre o meio e as suas gentes e se seleccionarem os espaços mais adequados à colocação das obras resultantes do trabalho dos artistas.

Entre 23 e 31 de Maio de 2007 os pintores convidados desenvolveram o seu trabalho nas instalações da Galeria Municipal de Matosinhos, numa interacção contínua com toda a população, que pôde assistir a todo o processo criativo dos artistas.

Foram convidados quatro artistas plásticos: JOSÉ EMÍDIO, Comissário do Simpósio, ALBERTO PÉSSIMO, JOÃO RIBEIRO e RUI PAES.
A escolha destes nomes apoiou-se em critérios de experiência, qualidade artística, que todos revelaram em eventos semelhantes, e facilidade de  interacção com o público.

PRIMEIRO SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PINTURA integrou a comemoração das Festas do Senhor de Matosinhos.

Deste Simpósio surgirá um catálogo com Coordenação Editorial da Cooperativa Árvore.

No final do Simpósio, dia 31 de Maio de 2007 foi promovida uma exposição/debate com a participação dos quatro artistas convidados  e outras individualidades, ligadas às artes plásticas.

Desde há algumas décadas que assistimos a um calendário mais ou menos regular de simpósios realizados pela Árvore com a promoção de diversas autarquias, especialmente Simpósios de Escultura.
Este trabalho revela-se, não só como um dos meios mais eficazes para a divulgação e dinamização das Artes Plásticas através do país, mas também como forma de conferir embelezamento de espaços  e entidade artística às cidades.